quinta-feira, 7 de abril de 2011

“Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.
Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência.”
36 prestações de saudade

Dizem que tudo na vida tem dois lados. Um bom e outro ruim. Depende nos olhos de quem está a pimenta. Mas se tem algo realmente ambiguo para uma única alma é um troço chamado saudade. Com ou sem primenta nos olhos. O dito popular é quem melhor traduz a dualidade de uma saudade quando diz que esta é a maior prova de que o amor valeu a pena. Então sentir a falta é bom. E ruim. Em todos os pontos de vista. Vai entender...

Saudade é amar um passado que nos machuca no presente. É uma felicidade retardada. É deitar na rede e ficar lembrando das ardentes reconciliações depois de brigas homéricas por motivos desimportantes. Sente-se falta de detalhes, como uma toalha no chão, dias chuvosos, da cor dos olhos. A saudade só não mata porque tem o prazer da tortura.

Saudade é o amor que não foi embora ainda, embora o amado já o tenha feito. Ter saudade é imaginar onde deve estar agora, se ainda gosta de vinho bordeaux, se chorou com a derrota do Grêmio no campeonato nacional, se tem tratado aquela amigdalite. E quando a saudade não cabe mais no peito, se materializa e transborda pelos olhos.

Sentir saudade é ter a ausência sempre do seu lado. É mudar radicalmente a rotina, comer mais salada e menos sorvete, frequentar lugares esquisitos, ter dias mais compridos, ter tempo para os amigos, para o vizinho e para a iguana do vizinho. A saudade é a inconfortável expectativa de um reencontro.

Às vezes a saudade é tão grande que nem é mais um sentimento. A gente é saudade. É viver para encontrar o olhar da pessoa em cada improvável esquina, confundir cabelos, bocas e perfumes, sorrir com os lábios tendo o coração sufocado. Porque mesmo a saudade sendo feita para doer, às vezes percebemos que ela é o meio mais eficaz de enxergar o quanto amamos alguém, no passado ou no presente.

Por que a saudade é o muro de Berlim desmoronado no chão, capaz de agregar opostos, como a tristeza e a felicidade em uma coisa híbrida. Se você tem saudade é sinal que teve na vida momentos de alegria com ela ou ele! No fim das contas, a saudade que agora lhe maltrata nada mais é que uma dívida sendo paga em longas 36 prestações pelo amor usufruído. Agora aguenta...
Brinque com a mão dela enquanto conversam. Coloque o cabelo dela atrás da orelha no meio de uma frase. Beije a testa dela quando for se despedir. Olhe pros olhos dela enquanto fala, em vez de pros peitos. Ligue pra desejar bom dia, boa tarde e boa noite e talvez até um bom-4-horas-da-manhã. Mande uma SMS de “eu sinto sua falta” no meio da aula chata de física dela. Ligue durante a madrugada só pra dizer “eu te amo”. Assista um Amor Pra Recordar, Ps. Eu Te Amo e Dear John com ela em vez do jogo do Flamengo, e não ria se ela deixar algumas lágrimas escaparem. Abrace-a quando ela chorar, não precisa nem perguntar o por quê. Não se irrite se ela não souber o que é impedimento, lembre-se que você também provavelmente não sabe a diferença entre salto alto e All Star. Fique do lado dela mesmo se ela disser que não quer você, porque provavelmente isso vai ser quando ela mais precisa. Mas, em hipótese alguma faça ela se apaixonar se você não pretende correspondê-lá.
Viver em sociedade é um desafio porque às vezes ficamos presos a determinadas normas que nos obrigam a seguir regras limitadoras do nosso ser ou do nosso não-ser...
Quero dizer com isso que nós temos, no mínimo, duas personalidades: a objetiva, que todos ao nosso redor conhece; e a subjetiva... Em alguns momentos, esta se mostra tão misteriosa que se perguntarmos - Quem somos? Não saberemos dizer ao certo!!!
Agora de uma coisa eu tenho certeza: sempre devemos ser autênticos, as pessoas precisam nos aceitar pelo que somos e não pelo que parecemos ser... Aqui reside o eterno conflito da aparência x essência. E você... O que pensa disso?
Acordo descabelada, tenho um pijamão que perdeu o elástico, uso meias coloridas furadas. Quando durmo mal tenho olheiras. Não é sempre que uso salto, gosto também de all star e chinelo. Sempre sujo a toalha da cozinha, sou desastrada. Não sei rir baixo, quando algo é engraçado pra valer me mato de rir, bem alto, mas tão alto que as pessoas na rua se viram pra me olhar e acabam rindo também. Adoro andar de meia pela casa, ou então de pé no chão mesmo. Falando em chão, adoro sentar no chão. Se eu estou com crianças, é uma festa: me arrasto, brinco de cavalinho, de pega-pega, de cabaninha, invento brincadeiras. (...)

Não sou princesa. Falo gesticulando, meu choro é verdadeiro, fico com nariz entupido, olhos vermelhos, fanha, as lágrimas saltam. Princesas choram com delicadeza e ainda pegam lencinho. Eu limpo o nariz na manga da blusa. Princesas dão sorrisos, eu gargalho pra valer, têm vezes que eu choro de rir. Não sou uma boneca. De vez em quando eu tenho espinha. Tenho celulite. Tenho enxaqueca. Minha unha descasca hoje e eu deixo pra tirar só amanhã. Esqueço de passar filtro solar. Me sujo comendo sorvete. (...)

Não respiro pra falar. Me agito pra falar. Me embolo pra falar. Me embolo pra tentar explicar o que estou sentindo. Me embolo no meio dos sentimentos todos. Meu rosto não é perfeito. Meu cabelo não é perfeito (pontas duplas, triplas, até quádruplas!). Meu corpo não é perfeito. Mas digo que o meu coração é grande. Bonito, mas também não é perfeito. Tem falhas. Meu coração não é princesa, nem boneca, nem coisa de filme. Ele é de verdade, que nem eu. Acho que o melhor que posso fazer por mim é exatamente isso: mostrar quem eu sou. Sem querer ser uma outra coisa, sem usar uma máscara que cai, quebra, desmonta, derrete. Não gosto disso. Não quero. E não preciso. Sou desse jeito que me mostro. Sou desse jeito que mostro pra você.


Ainda bem.

Clarissa Correa
não me deixe livre, não me solte, não me largue...


Talvez, esteja querendo que alguém me segure forte, me dê um colo quente..e não me largue tão fácil. E, não me deixe fugir, não desta vez. Não faça eu QUERER fugir. Me dê motivos pra ficar. Faça eu me apaixonar todos os dias.
São os olhos, exatamente os olhos, que eu mais ouço. A vida tem me ensinado, ao longo da jornada, que as palavras muitas vezes mentem. Os olhos, geralmente, não desmentem o que diz o coração.